Notícias

Observar e conhecer para proteger - Saídas de campo na Arrábida e Costa da Caparica

Os dias 6, 10 e 11 de maio foram dias diferentes para os alunos de seis turmas do 9º ano da Escola Básica Padre Alberto Neto (Rio de Mouro). No âmbito do programa da disciplina de Geografia, efetuaram-se visitas de estudo com atividades de trabalho de campo na região da Arrábida e Costa da Caparica.





Os dias 6, 10 e 11 de maio foram dias diferentes para os alunos de seis turmas do 9º ano da Escola Básica Padre Alberto Neto (Rio de Mouro). No âmbito do programa da disciplina de Geografia - Tema VI (Riscos, Ambiente e Sociedade), efetuaram-se visitas de estudo com atividades de trabalho de campo na região da Arrábida e Costa da Caparica contando com a excelente orientação e orientação do professor Henrique Martins, a colaboração de vários professores de diferentes disciplinas e do professor destacado na LPN.

Os alunos entre outros objetivos, observaram e identificaram áreas relevantes para a preservação do património natural e cultural da humanidade na região, identificando áreas suscetíveis a vários riscos. Após um enquadramento teórico efetuado para se observar e verificar aspetos relevantes na Arrábida, a visita iniciou-se junto à SECIL e suas pedreiras mostrando-se a forma de recuperação das zonas já exploradas, com a reflorestação constituída unicamente por vegetação autóctone. Aqui, os alunos iniciaram a atividade de trabalho de campo através do preenchimento da primeira parte do guião necessário para a realização da visita de estudo.

De seguida, com uma breve paragem junto ao topo do miradouro do Formosinho que permite uma vasta panorâmica sobre a região, os alunos realizaram um percurso pedestre até à “Pedreira do Jaspe”, junto ao local que constituiu uma das causas primeiras da constituição da LPN. Encerrada desde a criação do Parque Natural da Arrábida, na “Pedreira do Jaspe” explorou-se para fins ornamentais um tipo litológico único - a “Brecha da Arrábida”. Trata-se de um local com elevado valor pedagógico derivado dos variados aspetos de natureza geológica observáveis, para além de se disfrutar para oeste de uma privilegiada vista da serra do Risco, a escarpa carbonatada mais elevada da Europa. Seguidamente visitou-se a estação arqueológica romana do Creiro, local de elevado valor patrimonial com vista para a Pedra da Anixa e para o Museu Oceanográfico Professor Luís Saldanha.

Após uma paragem para almoço, no Castelo de Sesimbra, (embora numa das saídas devido à chuva intensa se tivesse almoçado no salão dos Bombeiros Voluntários de Sesimbra), a tarde ficou assinalada pela observação “in loco” das pegadas de dinossauros na jazida da “Pedreira do Avelino”.

O dia terminou com a visita ao Miradouro dos Capuchos, local com uma vista geral sobre toda a área da Costa da Caparica e do Estuário do Tejo. No Miradouro dos Capuchos salientou-se o valor natural que constitui a Paisagem da Arriba Fóssil da Costa da Caparica, a importância da conservação do sistema dunar e os principais riscos derivados da ocupação antrópica e problemas de ordenamento. Através da observação direta e com a colaboração dos professores, os alunos munidos de pranchetas preencheram a segunda parte do trabalho da atividade de campo tendo-se no final do seu preenchimento efetuado a viagem de regresso até à Escola.

Não obstante as más condições atmosféricas registadas em alguns dias, estas vistas de estudo foram exemplares demonstrando a forma de como se realizam as Atividades de Trabalho de Campo e provando que através de uma boa planificação e metodologia estas visitas de estudo se tornam uma ferramenta essencial e estratégica de educação ambiental para os alunos, levando-os a conhecer os locais para melhor os proteger.