Estruturas

Delegação LPN-Algarve

Apartado 438
8500 Portimão

E-mail: lpn_algarve [arroba] yahoo.com

Página: http://passeiosalgarve-lpn.blogspot.com/



Rocha da Pena - 5 Março 2010
(Fotografia (c) Elizabete Rodrigues)
Rocha da Pena - 5 de Março 2011 (mais aqui)

Lagoa dos Salgados - 5 de Fevereiro 2011 (mais aqui)
(Fotografia (c) Elizabete Rodrigues)
Ria de Alvor - 4 Dezembro 2010 (mais aqui)
 
História da LPN Algarve


Uma aventura de caiaque entre Silves e a Ria de Alvor, descendo o rio Arade, passando a barra de Portimão e entrando no mar aberto, foi, em Julho de 1989, a primeira actividade do Núcleo do Algarve da LPN, acabadinho de formar nesse mesmo ano. Com esta actividade, que reuniu cerca de dezena e meia de jovens caiaquistas do Algarve, acompanhados por terra por mais de meia centena de pessoas, pretendeu-se chamar a atenção para os problemas de poluição do rio Arade, para o gigantismo despropositado de um plano intermunicipal que então estava na moda e que previa extensas dragagens neste curso de água de modo a devolver-lhe a navegabilidade. Pretendia-se ainda chamar a atenção para os problemas da Ria de Alvor, zona húmida de grande importância natural que então estava (como ainda está...) na mira dos especuladores imobiliários.

Continuando a aventura dois dos caiaquistas seguiram rumo a Sagres e ao Cabo de S. Vicente. Pode dizer-se que foi uma bela estreia. Desde então muita água correu debaixo das pontes de Portimão (e do mundo). Vamos tentar dar conta, de forma resumida, de algumas das actividades que a LPN Algarve tem vindo a desenvolver.

A defesa da Ria de Alvor foi talvez o objectivo que levou à criação do Núcleo (1989), depois de ser um tema que já vinha ocupando a Direcção Nacional da LPN pelo menos desde 1986. Cartas a entidades nacionais e internacionais, abaixo-assinados, colóquios, relatórios, de tudo um pouco foi sendo feito. Mas, se os projectos de desenvolvimento imobiliário ficaram a marcar passo, o mesmo não se passou com as obras que a Direcção Geral de Portos levou a efeito no interior da Ria de Alvor, alegadamente para melhorar as condições dos pescadores.

Finalmente, em Dezembro de 1991, foi lançada, na vila de Alvor, a Campanha "Ria de Alvor - Reserva Natural", que contou com a presença do então Ministro do Ambiente, Eng. Carlos Borrego. O governante prometeu a integração da Ria de Alvor numa rede nacional de áreas protegidas, mas até hoje esta é uma promessa por cumprir. Desde então a LPN Algarve tem-se desdobrado em reuniões com várias entidades, nomeadamente com as Câmaras de Portimão e Lagos, cujos PDM consagram a preservação da área.

Entre as questões que nos seus quase dez anos de existência ocuparam a LPN Algarve destacamos ainda a luta contra a construção da Marina e Aldeia Lacustre de Tavira, destruíndo o sapal das Quatro Águas, em pleno Parque Natural da Ria Formosa. Ou a luta contra o empreendimento megalómano de Thierry Roussel e da sua Odefruta no Brejão, Odemira, no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina. Apresentámos ainda em 1996, à Direcção desta Área Protegida, uma proposta para recuperação do sítio da Boca do Rio e sua adaptação a área de Educação Ambiental.

Neste sector da Educação Ambiental, temos promovido ao longo dos anos diversas acções junto das escolas de todos os graus de ensino. Em 1996 um elemento da LPN Algarve foi mesmo destacado pelo Ministério da Educação durante um ano para coordenar no concelho de Lagoa (em protocolo com o IPAMB) uma actividade - A Campanha dos Três Erres - que mobilizou milhares de jovens nas várias escolas em vários concelhos do barlavento algarvio. Neste campo, a LPN criou também, em conjunto com o Agrupamento de Lagoa do Corpo Nacional de Escutas, a "Patrulha do Bosque", que reúne jovens escuteiros e tem desenvolvido acções como colocação de ninhos artificiais, campanhas de plantação de árvores da flora autóctone, em especial no Parque Municipal do Sítio das Fontes, em Lagoa, trabalho voluntário de conservação da Natureza em vários locais como o Parque Natural da Ria Formosa, etc. Para breve está planeada a "Missão Sagres" em colaboração com a Fundação Oceanis. Já para não falar das inúmeras solicitações que a LPN/Algarve recebe para guiar passeios de escolas, fazer conferências, participar em debates.

A LPN Algarve tem também emitido pareceres sobre os Estudos de Impacte Ambiental de vários grandes empreendimentos no Algarve, tendo o último sido sobre o EIA da Marina de Portimão.

Nos últimos tempos, a Barragem de Odelouca tem estado no centro das atenções do Núcleo. No âmbito da chamada de atenção para os efeitos negativos dessa grande obra pública e para a sua dispensabilidade, a acção mais original foi o happening organizado nas margens da Ribeira de Odelouca, sob a copa frondosa dos enormes amieiros, no Verão de 1997. A iniciativa chamou-se «Talvez...o Último Concerto no Paraíso» e incluiu poesia, dança e música de flauta e guitarra.

Falta apenas falar dos Passeios de Natureza. No primeiro Sábado de cada mês, levamos um grupo de sócios e não-sócios à descoberta do Algarve desconhecido e ao contacto com as áreas mais ameaçadas. É talvez a acção mais popular do Núcleo, a julgar pelo crescente número de participantes.

Quase dez anos depois de criada, a LPN Algarve vive hoje um período de alguma desmotivação dos seus dirigentes, admitimo-lo. O problema é que há dez anos que praticamente são as mesmas pessoas que têm que fazer todas as tarefas. Talvez por culpa nossa, admitimo-lo também, os restantes sócios pouco interesse têm demonstrado em participar nas actividades do Núcleo. A única actividade que consegue sempre reunir muita gente e cativar novos sócios, são os passeios de Natureza.

Por isso, aqui fica, em jeito de desafio, um convite aos sócios para que se ofereçam para colaborar, de modo a tornarmos mais actuante o Núcleo. Para que a LPN possa aprofundar o seu trabalho no Algarve, para que a LPN possa tomar parte nos debates muito importantes que a todos os algarvios dizem respeito, é preciso mais gente a trabalhar. Em 1999, a LPN Algarve fez dez anos. Foi um nova fase que se iniciou. Esperemos que com renovada massa cinzenta e vontade de trabalhar.